Democracia e Direitos Humanos

Democracia e Direitos Humanos

A situação política do nosso país pós-golpe de 2016 nos obriga a ir às ruas lutar por democracia e exigir o respeito à Constituição Federal de 1988. Nosso presidente Lula está encarcerado há mais de 100 dias por ser um grande líder preocupado com as questões sociais que envolvem a melhoria de vida dos mais pobres. A classe trabalhadora tem sido massacrada pelos golpistas, com a aprovação da Reforma Trabalhista, da terceirização irrestrita, do congelamento dos gastos públicos por 20 anos, e tantas outras medidas, a favor dos grandes empresários. As ações realizadas pelo golpista Temer e seu desgoverno, penalizam de forma ampla as nossas crianças, com a falta de investimentos na educação básica, na saúde, já visivelmente afetada com o retorno de doenças quase que erradicadas no país, como o sarampo e a difteria. Permitir que a população acesse os direitos básicos, como saúde, educação, segurança, lazer, trabalho, moradia, alimentação é também garantir o respeito aos Direitos Humanos.

Na Assembleia Legislativa, temos lutado para que as minorias do nosso Estado tenham representação, e mais do que isso, voz para falarem sobre as injustiças sociais que sofrem. Especificamente as comunidades tradicionais, indígenas, quilombolas, pesqueiras, ribeirinhos, ligadas a agricultura familiar, entre outras. Também lutamos pelo direito das mulheres, negros e negras, da pessoa idosa, das pessoas com deficiência, crianças e adolescentes, contra a exploração sexual e o trabalho infantil. Estamos em defesa do fortalecimento dos conselhos tutelares, e no combate à alienação parental, inclusive propomos o Projeto de Lei nº 20.454, que institui o dia e a semana estadual de Conscientização sobre a Síndrome da Alienação Parental na Bahia.

Defendemos o acesso dos jovens aos serviços públicos de boa qualidade; assistência e permanência nas universidades; trabalho; educação; cultura; arte, e somos contra o extermínio da juventude negra, nas periferias da Bahia e do Brasil.

Uma sociedade mais justa também se constrói com o respeito ao direito das Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros, e com a criação de políticas públicas que atendam as necessidades destes grupos.

O mandato de Marcelino Galo é um projeto coletivo. Contribua com a nossa plataforma política e envie suas propostas para o próximo mandato.